14.3.17

Domingo 26 de Março



O Cantaloupe Café, nos Mercados de Olhão, tem o prazer de anunciar que vai apresentar no próximo dia 26 de Março, Domingo as 18h30 um espectáculo com:
HP Trash


Hilaria Kramer    trumpet
Pedro Barroso     electric guitar
Pedro Guerreiro  electric  bass
Pedro Gloria        sampling trash-drums
“A celebrar 10 anos sobre a gravação do seu albúm '2006 Odyssey on Earth, Hilaria Kramer leva a palco os conceitos do seu  projecto e CD  “Odyssey 2006 on earth” . Em Portugal, onde Hilaria vive há alguns anos, veio encontrar os músicos que procurava para fazer a ponte entre o agora e um albúm projectado para o futuro.”
 “Hilaria Kramer, Pedro Glória, Pedro Guerreiro e  Pedro Barroso - HPTrês - expõem o seu trabalho baseado num processo de desenvolvimento do conceito de substituição do set de bateria convencional, por loops electrónicos, sons e live samples, combinados com a percussão alternativa feita de lixo doméstico e objectos da cozinha.”
Hilaria Kramer
Nasceu em 1967, na Suíça. Iniciou estudos de trompete com 10 anos de idade na Escola de Jazz de St. Gallen, na Suíça e continuou na seção profissional com o “Jazzgiant” trompetista Benny Bailey e o pianista Arte Lande de 1981 a 1985. Em 1985 começa sua carreira internacional tocando em grupos e projectos com músicos como: Joe Henderson, Sal Nistico, Chet Baker, Daniel Humair, Lee Konitz, Nina Simone, Carmen Mac Ray, Steve Lacy, Luca Flores, David Murray, Gianluigi Trovesi, Claudio Fasoli e muitos outros. Durante os últimos dez anos Hilaria Kramer tem trabalhado intensamente com suas próprias bandas e projectos como o Quarteto "la Suite" (3 CD já lançados), com o grande Daniel Humair na bateria e o seu Dueto (1 CD “Do Luar”) com o pianista francês Jean Christoph Cholet.
Foi membro do conselho do SMS 2005-2009 (Swiss Music Syndicate). Fundou em 2006 a AMIT (Associação para a música improvisada em Ticino – na região Sul da Suíça), da qual foi presidente de 2006 a 2014. Uma das suas competências é a ligação entre diferentes países através da transculturação dos eventos. Em 2014 H. Kramer foi galardoada com o "Swiss Jazz Price 2014".
Hilaria Kramer vive em Portugal desde 2013. Trabalha actualmente em diversos projectos portugueses (Mainstream Jazz, Modern Jazz e até mesmo música Contemporânea e Instant Composed Music) com veteranos do Jazz Português como Carlos Zingaro, Zé Eduardo, Miguel Mira e outros.
Pedro Barroso
Original de Lagos, nasceu em 1978. Iniciou o estudo de guitarra clássica e teoria musical, de 1993 a 1995, na Escola de Música de Lagos. Entre 1998 e 2000, teve aulas particulares de guitarra eléctrica com Gonçalo Pereira. No ano de 2010 iniciou a actividade de músico de sessão, tocando com muito regularidade e com várias formações, de duo a sexteto, com repertórios bastante transversais.
Desde então frequenta ocasionalmente em algumas actividades formativas, desde aulas particulares com Tuniko Goulart ou Miguel Martins, ou workshops no Hot Clube de Portugal e outros.
Participou como guitarrista de sessão de Ricardo Sousa, Bárbara Eugénia, O concurso Voz de Lagoa, entre outros.
Está envolvido em vários projectos e composições originais com influências variadas, do Jazz/Afrobeat, Pop/Rock, até ao Soul/Funk.


Pedro Guerreiro
Nasceu em Lagos em 1975. Logo comencou  estudar piano no Conservatório Regional do Algarve  ; entre 1998 e 1999 estudou violoncelo na Academia de Música Eborense; entre 1999 e 2000 estudou contrabaixo no Academia de Amadores de Música de Lisboa onde trabalhou com Fernando Flores. Frequentou o curso de Composição da Escola Superior de Música de Lisboa entre 2000 e 2002 onde estudou música electroacústica com António Sousa Dias e Carlos Caíres, e Composição com Sérgio Azevedo e João Madureira. Como formação adicional frequentou vários workshops e ateliers em instituições conceituadas como HotClub Portugal (jazz e contrabaixo) ou IRCAM França (programação musical e electroacústica).
A sua actividade tem-se desdobrado pelas seguintes áreas: composição de música electrónica/ electroacústica sendo artista seleccionado do Concurso Jovens Criadores 03/04 do Clube Artes e Ideias em 2004; programação de sistemas musicais para música interactiva ou instalação; composição de música instrumental e performance como baixista/contrabaixista em projectos em torno da música experimental/ alternativa; composição de música de cena e sonoplastia para teatro; colaborações com artistas de outras áreas como a dança, malabarismo, contadores de histórias etc.
Pedro Gloria
Pedro Glória nasce em Lagos na manhã de 4 de Julho de 1974. Começa na bateria aos 16 anos de idade, e desenvolve as suas aptidões até aos dias de hoje. Entra para o teatro onde representa alguns papeis, mas depressa se interessa naturalmente pela sonoplastia e pelos bastidores. Faz a sonoplastia de diversas peças e colabora numa peça da atriz e encenadora Cristina Bizarro. Interpreta poesia no grupo de jograis Trupe Barlaventina. Estuda violoncelo. Cria e é convidado a participar em diversos projectos musicais. Trabalha na produção técnica de diversos espectáculos. Participa na produção do festival de cinema CINEPORT. Dá concertos pelo país. Cria performances e instalações, grava e produz diversas peças musicais. Explora e desenvolve a sua própria sonoridade com outros instrumentos, com a reciclagem de materiais, com a electrónica, com a improvisação. Procura na música e em todos os sons uma extensão de si próprio e uma linguagem universal que não precisa de palavras..
 
Durante os espetáculos de música ao vivo, ao 1º consumo, aplica-se uma majoração de 5.00€ (cinco euros) para cada consumidor.

6.3.17

Domingo 12 de Março



O Cantaloupe Café, nos Mercados de Olhão, tem o prazer de anunciar que vai apresentar no próximo dia 12 de Março Domingo as 18h30 um espectáculo com:
Malheur

Juan Guillermo Acosta   Guitarra
Juan Miguel Martín     Bajo Eléctrico
Manuel Montenegro        Batería
Malheur es un trío español formado por guitarra, bajo y batería con múltiples influencias de jazz y rock que van desde los sonidos más eléctricos hasta los matices más sutiles con ejecuciones en directo muy enérgicas, siempre interpretando repertorio original.
Actualmente están presentando su tercer disco de estudio, titulado "La Boca Prestada" (2017), producido y editado por el sello sevillano Blue Asteroid.


Durante os espetáculos de música ao vivo, ao 1º consumo, aplica-se uma majoração de 5.00€ (cinco euros) para cada consumidor.

Quinta feira 9 de Março


27.2.17

Domingo 5 de Março



O Cantaloupe Café, nos Mercados de Olhão, tem o prazer de anunciar que vai apresentar no próximo dia 5 de Março, Domingo as 18h30 um espectáculo com:
Nebuchadnezzar Group

Cláudio Alves            guitarra
João Ferreira             piano
Hugo Santos              contrabaixo
Maximiliano Llanos   bateria
Nebuchadnezzar Group, um projeto de jazz contemporâneo que surge em 2014. Quatro músicos portugueses que a dada altura passaram pela escola de jazz do Hot Clube de Portugal (escola de jazz Luiz Villas-Boas), atenderam a várias Master Class de nomes nacionais e internacionais do panorama jazzístico e aprofundaram o seu conhecimento musical em escolas de ensino superior e universidades com cursos dedicados ao jazz.
No decorrer do ano de 2014 o grupo dedicou-se a compor e a apresentar-se ao vivo para criar o “som de banda” e para conseguir juntar dinheiro para levar a música ao passo seguinte.
Em Fevereiro de 2015 o grupo grava o primeiro álbum no 1º Andar da Fábrica do Braço de Prata em Lisboa. O álbum é composto por 6 temas originais onde a natureza das mesmas remete frequentemente o ouvinte para momentos cinematográficos como se de bandas sonoras se tratassem.
No decorrer desse ano e do ano seguinte, Nebuchadnezzar Group apresenta o seu primeiro álbum em clubes, salas e festivais a nível nacional e internacional tais como:
 Bibo Bar (Lisboa – Portugal), Cantaloupe Café (Olhão-Portugal), Jazz no Jardim (V.R.S.A. – Portugal), Caldas Nice Jazz (Caldas da Rainha – Portugal), Festival Nazionale dei Conservatori (Frozinone – Italia), Café Tati (Lisboa – Portugal), XI Jazz Iberia (Badajós – España), Armazém 8 (Évora – Portugal), entre outros.
Atualmente o grupo procura novas sonoridades, como também prepara o que virá a ser o seu 2º álbum. As novas composições contam com uma vertente mais elétrica, dado que foi incorporado também o baixo elétrico por parte do baixista Paulo Neves.
Todos com percursos diferentes em diversas áreas da música é neste projeto que encontram um dos caminhos mais relevantes param a sua expressão musical.
“A nossa música é muita coisa. Há uma liberdade enquanto grupo. Estamos dispostos a explorar os mais diversos timbres e texturas”, explica o quarteto.

Durante os espetáculos de música ao vivo, ao 1º consumo, aplica-se uma majoração de 5.00€ (cinco euros) para cada consumidor.